Publicidade

DJ

Olho Pop

Cláudio Alcântara

claudioalcantaravr@hotmail.com

Sofrimento e Alívio

Adriana Maluendas, única sobrevivente brasileira do 11 de Setembro, lança livro

Com formação educacional em Comércio Exterior, autora desnuda seu interior em - Além das explosões -

Entrevistas  –  21/12/2017 20:46

1

(Fotos: Divulgação)

_______________________________________________________

"O mais difícil foi o começo, porque foi muito emocional"

_______________________________________________________

“Transformar em livro uma experiência tão traumática trouxe à tona vários sentimentos e, consequentemente, tanto sofrimento e alívio foram partes dessa experiência”. Adriana Maluendas desnuda seu interior em “Além das explosões - Como o ataque terrorista ao WTC mudou minha vida para sempre...” 

Ela conta que a ideia do livro surgiu devido a diferentes fatores, já que por anos se fechou e não comentava sobre o assunto, nem mesmo com sua família - somente com seus médicos. 

- Ao passar dos anos e, ao saber que fui uma das poucas pessoas reportadas oficialmente como sobrevivente, e com algumas autoridades brasileiras me falando muito sobre escrever e registrar em um livro essa experiência, comecei a pensar sobre o assunto - lembra. 

Após um susto que teve com sua saúde e com a inauguração oficial do Memorial de 911, museu localizado exatamente onde um dia foram as Torres Gêmeas e o hotel onde estava hospedada foi localizado, foi convidada para a inauguração juntamente com 700 pessoas. 

- O momento da inauguração foi muito especial e tocante (muito forte), especialmente aos sobreviventes e familiares de pessoas que faleceram. Muitas e tantas histórias compartilhadas por outros sobreviventes me tocaram profundamente. Percebi, então, que era o momento para começar o livro. E dividir a minha experiência. Não tinha ideia como começar, então conversei com vários escritores e pessoas do ramo literário que me aconselharam e me indicaram como deveria proceder. 

Entre o período de pesquisas e colocar a experiência nos capítulos e títulos que imaginava descrever, terminou o livro em cerca de um ano, e os processos de edição e traduções começaram. 

Confira a entrevista com Adriana Maluendas

2

_______________________________________________________

"A violência pequena, média ou em grande escala não tem diferença. Só prejudica a humanidade".

_______________________________________________________

Transformar em livro uma experiência tão traumática trouxe à tona sofrimento ou alívio? 

Diria que as primeiras semanas e meses foram os mais difíceis. Somente no final do processo tive a sensação de ter tido saúde e o tempo necessário para concluir esse processo. Além de ter me trazido maior admiração à literatura, em escritores e no processo de criar uma obra. 

Durante o processo, qual foi o momento mais difícil e qual o mais gratificante? 

O mais difícil foi o começo, porque foi muito emocional. Sem dúvida me reestruturar e ter certa delicadeza e respeito em colocar minha experiência no papel sem ofender familiares de pessoas que perderam suas vidas, e ainda mantendo a paixão pela qualidade, a devoção, autenticidade e seriedade do propósito desta obra.

O mais gratificante é ver o interesse das pessoas de todas as idades no livro e no tema. Pessoas jovens que na época do atentado sequer faziam ideia do que estava acontecendo e como a história estava sendo marcada. E como a Era do Terrorismo foi, vamos dizer, “oficialmente” marcada nos dias atuais. 

Revendo mentalmente tudo o que aconteceu, que análise você faz da atual situação mundial no que se refere aos atos de intolerância, violência e terrorismo? Vivemos um momento violento também no Brasil, situações antes só vistas em outros países. Você acha que isso é um reflexo da globalização ou algo muito maior? 

Minha formação educacional é em mercado internacional, em Comércio Exterior. Portanto, minha opinião será baseada em notícias e não em conhecimento geopolítico. As notícias em geral mostram que sim, não só os Estados Unidos, mas outros países estão se unindo cada vez mais para o combate ao terrorismo. Porém, o que se percebe é que infelizmente ainda há grupos com ideologias maléficas se expandindo. Portanto, em minha opinião pessoal, esforços devem ser ainda mais redobrados. E como parte natural da humanidade, cada pessoa e cada Nação devem estar mais envolvidos em assegurar o bem-estar de todos e do futuro. E nos concientizar que estamos na Era contra o terrorismo e ataques contra a liberdade ao redor do mundo.

Já a violência, em minha opinião pessoal, não importa onde aconteça, é sempre o resultado de alguém não conseguir ou não ter o que deseja obter. Isso porque, por muitas vezes, o objeto desejado é estar no poder sobre outros. Quando a busca do poder é uma questão única de auto engrandecimento, que conduz inevitavelmente à corrupção e à violência, infelizmente se torna um resultado que vemos hoje em dia. Independente se é apenas um “bandido de rua” ou um político corrupto tentando assumir ou ter mais poder. Culturas diferente e lutas diferentes, mas a violência pequena, média ou em grande escala não tem diferença. Só prejudica a humanidade. 

_______________________________________________________

"As ideologias maléficas seguem em querer destruir e punir inocentes".

_______________________________________________________

 

Da sua experiência mais recente (atentado no metrô em Nova York, este mês) qual o paralelo que você traça com o 11 de setembro? 

Que o mal ainda está muito presente. Que as ideologias maléficas seguem em querer destruir e punir inocentes. Uma guerra de todos que infelizmente não tem prazo para terminar. Uma tristeza... 

Você acredita que o leitor vai refletir sobre tudo isso, ao ler o seu livro? 

Espero que sim. Como o terrorismo atinge tantas pessoas no mundo todo e de maneira muito profunda, emocional e física. Porém, o que quero demonstrar com meu livro é o lado da superação... Que não importa o tempo (cada um tem seu tempo), podemos retomar nossas vidas após situações inesperadas e de extrema dor. No meu caso, por exemplo, fiquei congelada por anos, perdi muitas celebrações e encontros em famílias, enfim memórias e um tempo que jamais poderei recuperar. O livro é minha homenagem à vida, a chance de ainda estar aqui, o que torna para mim, muito especial poder registrar o estrago e a superação, e que sim, é possível. 

O que você diria para as pessoas que foram vítimas desse processo violento? 

Que sim, é difícil, muito difícil entender os porquês. A dor passa, mas o mais importante é não deixar se transformar no que te feriu ou que te trouxe tanta dor. A vida é algo especial e devemos tomar o tempo, respirar e seguir adiante sempre. Nossa vida é o nosso legado, nossa aprendizagem. 

Projetos. O que vem por aí? 

Sim, desde que o cupido da literatura me flechou. Tento seguir escrevendo minhas crônicas, disponíveis no site do webartigos. Algumas também publicadas no “Jornal The Brasilians” em New York. E se Deus quiser em breve anunciarei o lançamento do livro na versão em inglês. Estou começando o rascunho do segundo livro.

_______________________________________________________

Fique de Olho 

> Além das explosões - Como o ataque terrorista ao WTC mudou minha vida para sempre... - Livro (edição especial) na rede de livrarias Saraiva e online na Amanzon e Mercado Livre. Média de R$ 39,90. Clique e confira mais sobre o livro. Instagram: @_adrimaluendas

_______________________________________________________

Por Cláudio Alcântara  –  claudioalcantaravr@hotmail.com

Seja o primeiro a comentar

×

×

×