Publicidade

Aguás Quentes

O Terrorismo do Ser Humano

Por que governantes se posicionam como deuses intocáveis

Temos muito mais dificuldades de aprender com os erros; a soberba enfraquece a verdade, haja vista a bandalheira política

Cartas  –  09/10/2012 10:11

254

(Foto Ilustrativa)

A intolerância bebe da mesma fonte das

ideologias, a maioria, utópicas e sem valor


O terrorismo é um ato selvagem e desleal com o intuito de causar dor e sofrimento a uma pessoa, grupo, sociedade e população. Alguns estudos apontam que teve início no século I d.C., quando os sicários, que significa “homens de punhal”, atacavam cidadãos judeus e não judeus considerados a favor do domínio romano. O terrorismo torna-se eficaz pelos instrumentos que utiliza para cometer seus propósitos: a surpresa, a sustentação nas crenças que fundamentam o ato e posteriormente o trauma causado. A intensidade do atentado define o grau de comprometimento do trauma e em se tratando de um gesto desumano, quanto mais sanguinário e destrutivo, maior o poder de corrosão. O trauma causado são sequelas e que vão conduzir o pensamento e os rumos de uma nação. 

Ideologias totalitaristas nos quais os propósitos políticos misturam-se com crenças religiosas e motivadas por visões conspiratórias, os terroristas são grupos que se formam e utilizam a sanguinolência como modalidade de luta e reivindicação. Inúmeros são os grupos terroristas espalhados pelo mundo como o ETA, na Espanha; as FARC, na Colômbia; os Tigres Tâmeis, no Sri Lanka; o IRA, na Irlanda do Norte; a Al Qaeda no Afeganistão e grupos islâmicos fundamentalistas em diversos países africanos e asiáticos. 

O impacto do ato terrorista num primeiro instante causa perplexidade e consternação. A população fica apavorada, o que dá vazão a uma histeria, ou seja, um descontrole emocional, insegurança e medo. Num segundo momento, essa sensação de medo revela uma tendência a uma reação selvagem e primitiva, mas sem sair de cena. O medo continua, pois o sentimento alimenta a percepção, a compreensão da fragilidade e do ódio fomenta a retaliação e a reação ao sofrimento é imediato e igualmente destrutivo ao ato sofrido. O medo é tendencioso, privilegiando o sofredor, cria vitimizações e uma atmosfera de pânico. O medo ao mesmo tempo em que deixa a pessoa em alerta pode distorcer uma verdade, confundir. Mas a reação violenta é inevitável porque é uma tentativa de suplantar a fragilidade, mas condicionada a sensação de pavor enfraquece uma racionalização. 

No nazismo existia a expressão “Führerprinzip”, ou seja, o princípio de liderança, a lei do chefe. O pai eleito que protege seu rebanho, sua prole, seus filhos. A referência que utilizo para explicar esse princípio pode causar incômodo, mas quero com isso provocar o leitor a uma reflexão. O nazismo que possuía como argumentação um movimento político foi liderado por um déspota e que regeu toda uma nação, criando uma nação à sua imagem e mentalidade. A ação terrorista possui esse mecanismo. Influencia opiniões e controla pessoas contra um determinado grupo. Acreditam em qualquer coisa que seja apoiado no medo e passam a lutar, supostamente por um ideal. 

Uma interpretação básica do Inconsciente Coletivo do psicólogo Carl Gustav Jung nos ensina que a existência humana está relacionada aos eventos do passado e que nossa psique herda as influências das imagens e experiências do passado e cria os arquétipos, fenômenos psíquicos que persistem e se moldam no nosso inconsciente. Colhemos o que plantamos, portanto, somos o reflexo de nossos pensamentos e influenciados por pessoas, grupos, comunidades, sociedades, ideologias e muitas outras camadas que antecedem o que é atual e constitui nossa realidade. Um exemplo dessa concepção foi que por causa da Inquisição, na Idade Média, que o Vaticano, décadas depois, se retratou e pediu desculpas pelas atrocidades que a igreja católica cometeu na Idade Média, admitindo sua culpa. Foi a ditadura no Brasil, para ficarmos com um exemplo próximo, que houve as passeatas e as revoltas contra o regime autoritarista e as discussões das “Diretas Já”. A mudança de uma política militarista pela democracia e desse movimento o direito da população ao voto. Olhar para o passado e reconhecer os erros se fazem necessário, não apenas para corrigi-los, mas o intuito é transformá-los em algo melhor. 

No terrorismo as mortes de pessoas inocentes dão a tônica de uma violência desmedida e cruel. Não existe vítima e o vilão. A intersecção dos papéis confunde e desassocia a figura do herói e do bandido. Os ditadores continuam no comando e a sensação de medo circunda o cotidiano das pessoas. A sociedade continua repetindo as lições deixadas por seus tiranos e cria novos fascistas. A violência entre os povos que acompanha o desenvolvimento da humanidade desde seus primórdios e é a tônica de mentalidades alienadas parece também flertar com a morbidez. Esse é então o estilo de vida de pessoas que ao mesmo tempo em que conseguem se chocar com uma carnificina está à mercê da própria falta de escrúpulos. Muitos se comovem com a desgraça alheia, outros se deliciam e, na verdade, todos agradecem por não ter sido com ele. Parece que temos muito mais dificuldades de aprender com os erros do passado porque a soberba enfraquece a verdade, haja vista a bandalheira política, em que governantes e dirigentes se posicionam como deuses e são intocáveis. A intolerância bebe da mesma fonte das ideologias, a maioria, utópicas e sem valor. A violência do terrorismo, o derramamento de sangue, a chacina em massa de inocentes decreta a falência do humano que deixou de “ser” e existir. 

> Breno Rosostolato, psicoterapeuta e professor da Faculdade Santa Marcelina

Seja o primeiro a comentar

×

×

×