Publicidade

DJ

Filmes Soviéticos Década 1920 - A Greve

Engajamento e arte

Primeiro filme de Eisenstein já é obra do gênio, que, de filme a filme, só faz consolidar-se e aprimorar-se

Crítica  –  24/11/2017 10:46

6862

(Foto: Divulgação)

A fotografia, os enquadramentos e angulações,

a seleção de fatos da realidade cotidiana dos

operários, o ritmo da imagem, a direção e 

interpretação dos atores formam ordenado

encadeamento de cenas e sequências

 

Guido Bilharinho 

Pudovkin, em seu clássico “Argumento e montagem no cinema” (São Paulo, Editora Iris, s/d, p. 136), e Henri Agel, em “Le cinema” (Paris, Casterman, 1955, p. 85), citam, como exemplo de montagem simbólica, as cenas finais do filme “A greve” (Stachka, U.R.S.S., 1924), de Sergei Eisenstein (1898-1948).

Contudo, sob esse aspecto e essa pretensão, o cineasta russo não utiliza adequadamente a ideia. Pretendendo paralelizar e comparar a matança dos grevistas com a dos bois no matadouro, o apropriado seria mostrar, ao invés da morte de um boi e seu descarnamento alternado com o assassínio em massa dos grevistas, a queda de um boi após outro com idêntico revezamento. O efeito seria bem maior, já que a eficácia decorreria da sucessão, sincopada e sincrônica, da queda dos operários sob as balas assassinas com a derrubada de bois sob o guante do magarefe, pontuando-se o final com as centenas de cadáveres de operários de um lado e os corpos dos bois mortos de outro. O símile, no caso, é o tiro nuns e os golpes noutros com suas consequentes quedas ao solo. O descarnamento do boi, por demorado, não é impactante e nem estabelece analogia com os tiros e a queda dos operários, tendo função ou efeito contrário ao pretendido.

Todavia, esse primeiro filme de Eisenstein já é obra do gênio, que, de filme a filme, só faz consolidar-se e aprimorar-se.

A fotografia, os enquadramentos e angulações, a seleção de fatos da realidade cotidiana dos operários, o enfoque de pequenos animais e aves, o ritmo da imagem e a direção e interpretação dos atores formam ordenado encadeamento de cenas e sequências, dispensando até mesmo os letreiros que, desnecessariamente, funcionam, no caso, como títulos de capítulos, ou, às vezes, simples legendas.

_______________________________________________________

Por outro lado, não se pode negar que preside a realização do filme orientação maniqueísta imposta pelas circunstâncias de tempo e lugar. No caso, os operários vitimados são bons, puros. Os empresários maus, cúpidos e cheios de defeitos. Já o extremismo oposto, que domina as mentalidades e a visão da vida desses últimos, julga-os dinâmicos, trabalhadores, inteligentes e, por isso, ricos, enquanto que os operários são e continuam a ser operários por faltos de inteligência e, quando não, por pura malandragem. Ambas, visões unilaterais e distorcidas da realidade, que, todavia, não encobrem e nem disfarçam o mecanismo da exploração e apropriação do trabalho alheio.

_______________________________________________________

No mais, tudo leva a crer que um dos objetivos de Eisenstein é, paralelamente a mostrar e denunciar a exploração capitalista, incentivar a greve e a luta contra essa exploração. Contudo, além do filme não contribuir para isso, é-lhe, ao contrário, poderoso antídoto, já que a amostragem das consequências da greve (fome, desespero, assassínio em massa de trabalhadores), redunda no amedrontamento do operariado.

É certo, porém, que “A greve” é realizado a partir da realidade nacional soviética de então, no sentido de mostrar a seus operários a exploração e a violência capitalistas, reforçando, assim, o regime. Constitui, pois, nesse sentido, obra engajada. Como, a seu tempo, os grandes afrescos das igrejas e a música sacra. Mas, como inúmeros desses afrescos e dessa música, esse filme também é artisticamente realizado, submetendo a mensagem à forma, sem o que nem configuraria arte. Por isso, uns e outros sobressaem e perduram muito além de seu condicionamento, projetando-se pelos séculos afora, como obras, certamente, perenes. (do livro “Clássicos do Cinema Mudo”. Uberaba, Instituto Triangulino de Cultura, 2003) 

> Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba, editor da revista internacional de poesia “Dimensão” de 1980 a 2000 e autor de livros de literatura, cinema e história do Brasil e regional, publicando mensalmente desde setembro de 2017 um livro em seu blog

_______________________________________________________

Por Assessoria de Comunicação  –  contato@olhovivoca.com.br

Seja o primeiro a comentar

×

×

×