Publicidade

Premio

O Que Vem Por Aí...

Perspectivas para 2013: indústria, imóveis, emprego, saúde, consumo, tecnologia e corrupção

Superado o desafio de 2012, em que o PIB subiu apenas 0,98%, empresários e dirigentes revelam suas apostas para o Ano Novo

Economia  –  03/01/2013 20:46

703

(Foto Ilustrativa)

Expectativas continuam em estado

de atenção no primeiro semestre

 

O “Pibão” encomendado pela presidente Dilma não deve crescer mais do que 3% em 2013. Fatores como a estagnação internacional, a alta carga tributária e a falta de infraestrutura retardam o crescimento da economia brasileira. Por outro lado, o câmbio supervalorizado, a baixa taxa de juros, os cortes na energia elétrica e o desemprego em queda recorde favorecem a produtividade das empresas e a renda dos brasileiros, que subiu 5% no ano passado. A previsão é a de que o fraco desempenho no biênio 2011-2012 fique um pouco mais acelerado, mas ainda em ritmo moderado. 

As expectativas continuam em estado de atenção no primeiro semestre. Ricardo Martins, diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), distrital Leste, lembra que o PIB (Produto Interno Bruto) industrial é de -2,30% em 2012, conforme dados do Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central. Para 2013, caso o governo não tome iniciativas de incentivar o crescimento e a produtividade, a situação pode piorar. 

- Uma das consequências deste cenário é que a indústria está reduzindo a sua participação no PIB, para se ter uma ideia a indústria representava 27,2% em 1985 e hoje não passa de meros 13,6%. Esses dados reforçam a ideia de que enfrentamos um processo de desindustrialização - informa. 

Setor imobiliário 

No setor imobiliário, no entanto, de acordo com o Secovi (o Sindicato da Habitação), o aumento de 33,8% no crédito imobiliário demonstra que o mercado está bastante ativo e com possibilidades de crescimento em 2013. De acordo com dados da Caixa, o volume de empréstimos imobiliários atingiu R$ 101 bilhões em 2012. Para este ano, o Programa Minha Casa Minha Vida projeta conceder crédito de R$ 120 bilhões. Para Marco Aurélio Luz, presidente da AMSPA (Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências), no entanto, é necessário ter cautela e planejar bem, antes de fechar o negócio, para evitar a inadimplência. 

- É aconselhável pedir uma planilha do banco com a projeção de todas as parcelas do financiamento, incluindo as taxas extras e os seguros que compõem a prestação. Também é essencial colocar todas as despesas no papel e, junto com a família, verificar se as prestações não vão comprometer mais do que 30% da renda familiar - ressalta. 

- Além disso, o futuro mutuário deve guardar uma reserva como os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ou da poupança - completa. 

Oportunidades de trabalho 

Já Weliton Nascimento, diretor da Arezza, garante que não vão faltar oportunidades de trabalho para os brasileiros. Em 2012, o comércio e a indústria somaram 155 mil oportunidades de emprego temporário, 5,5% a mais do que no ano anterior, segundo dados da Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário). 

- O serviço temporário é um aliado importante para inserção no mundo do trabalho - revela. 

De fato, estudo feito pela Ciett (International Confederation of Private Employment Agencies), mostra que, após uma experiência como temporário, a chance de o trabalhador conseguir um novo emprego aumenta em 60%. As perspectivas com a Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016 aumentam as chances de empregabilidade. 

Situações de emergência 

Enquanto se pensa nesses grandes eventos esportivos que o país vai receber, a ABDEH (Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar) questiona se teremos infraestrutura para atender situações de emergência, já que os investimentos em unidades hospitalares não foram significativos em 2012. Segundo Fábio Bitencourt, presidente da ABDEH, a construção de um hospital leva em média quatro anos e o período de planejamento é de 12 meses.

- É preciso que todos envolvidos na área da saúde, inclusive engenheiros, arquitetos e administradores hospitalares pensem melhor no gerenciamento dos recursos e no planejamento das edificações hospitalares. Nesse contexto, a nossa responsabilidade é grande para fazermos tudo às pressas. Se no projeto ou na construção houver falhas ou até mesmo negligência, as consequências serão sentidas por um longo período, dificultando ou até inviabilizando melhorias em médio e longo prazos - explica.

José Cleber do Nascimento Costa, diretor geral do INDSH (Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano) concorda com o raciocínio:

- Gerir um ambiente de saúde é um desafio, porque envolve a questão do recrutamento, seleção, admissão, treinamento e retenção de talentos médicos, de enfermagem e de outras áreas são cruciais. Além disso, é preciso pensar na logística de materiais e medicamentos de uso no paciente, bem como em outros insumos também é preponderante. A implantação de uma cultura profissional de administração ao lado de uma de qualidade assistencial é outro ponto para reflexão. A manutenção e atualização do parque de equipamentos, instrumentos, áreas físicas e tecnologias é mais um. Assim, são vários os obstáculos, que normalmente são superados por um entendimento dos problemas de saúde da comunidade, do mapeamento estratégico feito ao lado de um bom plano diretor de medicina, ambos norteados pelo BSC (Balanced ScoreCard), uma ferramenta de gestão cada vez mais utilizada para gerir estabelecimentos de saúde. O financiamento e o acesso aos serviços de saúde também são desafios permanentes.

Como será o consumo do brasileiro

> Sorvetes

As altas temperaturas do verão 2013 também irão fazer crescer significativamente o consumo de sorvete no Brasil. Em 2011, o brasileiro consumiu 1,167 bilhão de litros de sorvete, quase 4,5% a mais do que no ano anterior, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Sorvetes. Por ano, o consumo individual fica pela ordem de seis litros, o que não é considerado um percentual excepcional, já que na vizinha Argentina o consumo é de oito litros.

Na Itália, o número sobe para 16 litros por ano e nos Estados Unidos chega a 26 litros anuais. Aqui no país, os consumidores de sorvetes acabam de ganhar um forte aliado: o lançamento dos sorbets (sorvetes) da Le Naturelle, linha orgânica do país, que adiciona o item saudável na composição do produto.

> Satisfação do cliente

Para auxiliar os empresários a satisfazerem sua clientela, em 2012, chegou ao país um dos carros-chefes da empresa portuguesa Qmetrics. Em parceria com a USP, o BCSI (Índice Brasileiro de Satisfação do Cliente) passa medir qualitativa e quantitativamente a satisfação do cliente brasileiro.

Depois de um estudo preliminar, os primeiros setores escolhidos para a pesquisa são os bancos e as operadoras de celular. Além dos resultados por empresa, terão a comparação direta entre companhias e setores nacionais e internacionais afins. Em junho de 2013, os resultados da primeira edição do BCSI serão divulgados.

> Tecnologia 3D

Ainda na área de bens de consumo, a tecnologia 3D tem auxiliado na redução de custos de prototipagem, marketing e vendas. As soluções interativas já são utilizadas por vários setores industriais de bens de consumo, automobilístico e aeroespacial, desde o projeto até o acabamento dos protótipos virtuais.

- A metodologia funciona como meio de comunicação entre os fornecedores e o fabricante, internamente na empresa ligando as áreas design, engenharia, marketing e vendas, utilizando um único modelo virtual hiperrealista como referência em todos os setores. Finalmente, realizam a comunicação entre o fabricante e o cliente, apresentando o produto em formas mais atrativas, inovadoras, despertando uma resposta emotiva no consumidor final - descreve Luis Pierri, da RTT Brasil.

No comércio, os primeiros a adotar a novidade são as concessionárias de veículos, que já podem oferecer aos seus clientes uma visualização geral de seu carro, nas cores e padrões escolhidos, mesmo antes do objeto de consumo sair da fábrica.

> Cupons de desconto

Com mais dinheiro no bolso e mais poder de compra, o brasileiro finalmente aderiu à popularidade dos cupons de desconto. Estudo da Harvard indica, porém, que apenas cerca de 1% de todos os cupons de descontos são sempre utilizados. O mesmo estudo revela que os cupons não resgatados elevam as vendas das lojas associadas em 60%. O experimento foi feito ao longo de 16 meses, com oito varejistas americanos, em campanhas com acima de 500 mil usuários, para itens de mais de 300 marcas.

Para Cesar S. Cesar, diretor da Unidade Digital da Carvajal, empresa mantenedora do Viva Cupom, a popularidade dos cupons de descontos está relacionada a uma mudança de comportamento dos usuários. Outro efeito da publicação de cupons é a visibilidade que as ofertas regionais ganham em ferramentas de busca, como o Google, que indexam cada novo cupom criado e passam a exibir em seus resultados.

> Internet

Já para o diretor de arte da LINK Portal da Comunicação, Ed Coelho, a Internet revoluciona os caminhos para os bons negócios.

- Atuar na rede tornou-se uma grande oportunidade de crescimento para as empresas. Afinal, pela internet as organizações podem desenvolver seu site corporativo, atuar nas redes sociais para reforçar sua posição e ganhar a confiabilidade de um público ascendente - diz.

Corrupção: Somos todos corruptos?

Por fim, passada a turbulência do julgamento do mensalão, fica a pergunta: Somos todos corruptos? De acordo com o ranking divulgado pela ONG TI (Transparência Internacional), com a análise de 176 países sobre corrupção, o Brasil aparece no 69° lugar. Outra pesquisa recente, do Instituto Vox Populi e a Universidade Federal de Minas Gerais, revela que 23% dos entrevistados disseram que dar dinheiro a um guarda de trânsito para evitar multa não pode ser considerado como ato corruptível. Além disso, para 29% sonegar imposto não é uma falha de caráter. Já 22% dos consultados acreditam que pessoas pobres devem aceitar ajuda de políticos em troca do voto.

Antenor Batista, autor do livro “Corrupção: O 5° poder - Repensando a ética” (Edipro), explica:

- infelizmente, a inclinação para ser corrupto ou corruptor está no DNA humano, acionada pelo egoísmo ou pelo desejo ilimitado, ou seja, está presente em todos os setores em que o homem atua. É, portanto, inerente à natureza humana. Na verdade, as pessoas nascem com propensão para a fraude, a qual se manifesta de acordo com as circunstâncias.

Será?

Por Assessoria de Comunicação  –  contato@olhovivoca.com.br

Seja o primeiro a comentar

×

×

×