<

Publicidade

Premio

Ensinar e Aprender

O conceito de uma educação integral e global

Processo de ensino-aprendizagem é uma forma de socializar que não deve ser apenas efetuada em sala de aulas

Educação  –  07/09/2012 09:14

22

(Foto Ilustrativa)

A criação das escolas trouxe um processo de

diferenciar e qualificar grupos sociais

Olá, leitor,

Seja muito bem-vindo a este espaço onde abordaremos o tema educação de forma totalmente livre, crítica, aberta. Este espaço tem como objetivo trazer para a discussão popular o conceito de uma educação integral, global, como único processo capaz de moldar as diversas sociedades.

A realidade da educação atual é reflexo do processo de construção histórica da nossa sociedade. A educação é um processo que envolve as atividades de ensinar e aprender, e acontece pela transmissão direta e indireta do conhecimento. Pode ser formal, ou informal. Dá-se o nome de educação formal àquela praticada no âmbito escolar, que é transmitida de forma intencional e com objetivos determinados. Já a educação informal é aquela que sucede desde o primeiro momento de nascido do indivíduo, e pode ocorrer em qualquer espaço, tempo, com ou sem intenção de educar. De acordo com alguns autores como Rosa Fátima de Souza, Piaget e Buisson, podemos sintetizar que a educação é uma construção baseada nas ações científicas, tradicionais, culturais, políticas, cotidianas. Contudo, podem se passar anos, mudar as conjunturas cultural, política e social, a apropriação do conhecimento sempre foi sinônimo de garantia dos direitos civis.

Progresso multiescolar

Segundo a pesquisadora Rosa Fátima de Souza, o processo histórico institucional escolar assinala a potencialidade da classe como estrutura organizativa, por outro lado, revela seus paradoxos e o quanto ela tem-se apresentado como um obstáculo à inovação. A institucionalização da escola, sendo ela popular e abrangente, traz consigo um sinônimo de progresso multiescolar. Já que em princípio o acesso à escola era bastante restrito para apenas quem detinha poder financeiro e econômico, algo que deveria ser para todos é, em sua origem, a principal forma de segregação e diferenciação social em classe. No Brasil por sucessivos processos políticos relacionados a uma linha temporal desde a colônia até a atual república, faz com que a educação institucionalizada apresente um quadro defasado.

Para falar de educação precisamos desconstruir um ideal puramente escolar, e a analisarmos como um processo natural que deve ser estimulado. A partir disso, entra o papel da escola, que é de estimular a produção do conhecimento, do saber. O professor Carlos Rodrigues Bandrão afirma em um dos seus livros que a educação ajuda a pensar tipos de homens, mais do que isso, ela ajuda a criá-los, através de passar uns para os outros o saber que o constitui e o legitima. Desse modo, o processo de ensino-aprendizagem é uma forma de socializar, que não deve ser apenas efetuada em sala de aulas, onde há apenas uma figura detentora do conhecimento, nesse caso o professor. A educação tem suas premissas na troca de saberes, sejam esses profundos de razão científica, seja de senso comum tradicional. Porém, nenhum tipo de saber deve ser desprovido de atenção, ou seja, o conhecimento é valioso.

Continuar a evoluir

Para muitos, o processo educacional é deter algo que seja subjetivo, porém é uma relação muito mais complexa, pois não há processo e dinâmica educacional, se não houver uma troca, em que ensinar é também aprender e vice versa. Outro ponto de vista é processar o conhecimento e transformar a subjetividade em algo concreto e prático ao nosso dia a dia. Portanto, podemos identificar que a educação, para nós humanos, é um processo de continuidade e de trocas permanentes, com o principal objetivo, seja subliminar ou não, de continuar a evoluir.

O processo organizacional de ensino formal é quando a educação se torna institucional e suas fontes de teorizar a educação são conduzidas por métodos pedagógicos. Dessa forma é um processo que estabelece um rigor e carece especialização. A escola vem com o intuito de otimizar o trabalho, regulamentar e aprimorar o conhecimento. Contudo, a criação das escolas trouxe um processo de diferenciar e qualificar grupos sociais. É, portanto, um processo de construção e evolução, que estudos ocidentais definem sua origem na Grécia e depois se expande por toda Europa. Porém, neste texto ainda não vamos nos debruçar na origem da escola. Daremos a continuidade no decorrer das atualizações.

> Colaboração: Leandro Ferreira, acadêmico de geografia e meio ambiente, e Neuma de Oliveira

Por Leslie Assis  –  lesliassis@gmail.com

1 Comentário

×

×

×

  • Dhilma pólen

    Que bom,Leslie!
    Sua coluna chega na hora em que o Brasil precisa rever conceitos de educação.Os valores se perderam no tempo e é preciso construir, com urgência, essa visão organizacional de ensino formal e os deveres da escola com a sociedade como um todo. Serei leitora assídua de sua coluna.Parabéns!Sucesso!
    Dhilma Pólen germinando o amor.