Publicidade

RH

Descobrindo a Música

Ricardo Yabrudi

yabrudisom@hotmail.com

Para Todos Que Apreciam o Pop

Bossa nova, a bossa sempre nova

O equilíbrio harmônico da bossa nova se tornou um marco para toda a música brasileira - ela é um medidor para quem pretende entender nossa música

Música  –  03/01/2022 17:08

10303

 

(Foto: Divulgação)

Uma ótima oportunidade para conferir ao vivo é o show “Bossa Nova na Intimidade”, com Kay Lira & Maurício Maestro, dia 7 de janeiro (sexta-feira), às 20h, no Urukun Lagoa - Rua Fonte da Saudade, 187, telefone (21) 2143-8131. Ingressos: R$ 35. Reservas pelo celular/WhatsApp (21) 99731-0933.

 

> Confira todas as colunas "Descobrindo a Música", do músico (e arquiteto) Ricardo Yabrudi 

A grande novidade na música é aquela que apresenta novas formas musicais definitivas criando uma tradição em estabilidade, propondo ideias a serem seguidas pelos estilos subsequentes. Para que isso ocorra, os quesitos que propõe devem possuir uma perfeição na harmonia, em suave conjunto com a melodia e um ritmo sincopado trazendo balanço - surge como o novo “hoquetus” (clique aqui para ler o artigo sobre hoquetus).

Num gingado bem carioca, bem brasileiro, a bossa nova inaugurou essa nova, definitiva estabilidade como estilo musical para oferecer suas ideias, servindo a partir de seus novos conceitos musicais: uma estrada para onde muitas tendências musicais entenderam e a seguiram. Estudar, entender, ouvir suas canções é entender o final de um processo histórico tonal da nossa música. É importante que todo aficionado pela música brasileira se renda ao entendimento de sua gênese.    

O Brasil tem na formação de sua cultura musical grandes influências que recebeu do mundo (como um tesouro, dos povos que vieram para cá depois do ano 1500). Com as naus portuguesas vieram as canções para vihuela e voz que de forma portátil infestaram o Brasil menino da boa música europeia. A música portuguesa foi repaginada e se tornou a primeira base da nossa grande música. Seus principais descendentes foram: o choro (chorinho) e a grande música seresteira na qual Villa-Lobos se inspirou. Sendo esse o maior compositor brasileiro empunhou o violão tocando sempre nas rodas de choro, onde se inspirava para relocar a beleza popular musical nas suas obras que sempre foram de extrema erudição - das ruas, dos bares, em direção às salas de concerto. 

Foi assim que o Brasil ficou atento à joia que possuía. Não haveria mais a separação ou mesmo um dualismo entre o popular e o erudito, pois a essência da arte dos sons, a partir de Villa, residia na música popular: o combustível para o erudito (Bela Bartok fez o mesmo na Hungria com o folclore do seu país). Até canções infantis como as “Cirandas” foram repaginadas por Villa-Lobos, sendo coroadas com uma composição extremamente virtuosa. 

A nostalgia seresteira do século XX, com uma harmonia tonal bem-comportada, assentada num cíclico harmônico simples, óbvio, sem muitas dissonâncias, deu origem a uma inspiração maior: a mais importante fase musical do Brasil, que foi a Bossa Nova. “Bossa” significa: influência, jeito. “Nova” o que se propõe para a evolução harmônica, melódica e rítmica, no caso da música. Nos anos 50 ela atraiu para si todas as influências benéficas de outras culturas, principalmente do jazz, conservando as suas. Apoderou-se de uma rica harmonia dissonante, transformou o ritmo que herdou do samba e de outros gêneros musicais em um balanço altamente sofisticado, principalmente com uma nova maneira de tocar o violão - o instrumento perfeito agora companheiro insuperável da voz. Na sua melodia doce, simpática, feliz e de bem com a vida transformou esse estilo musical como um guia a ser obedecido por quase todos os compositores pop posteriores à sua invenção. Ela é um marco de partida que nunca se apagará - como uma chama eterna. Não há como evoluir mais seus quesitos de harmonia, ritmo e melodia, pois inaugurou uma era de estabilidade. Sua harmonia evoluiu para um ponto ótimo de dissonância. Excedendo este ponto a música pop poderia se tornar cacofônica, por uma ótica do exagero, um pouco desagradável e canhestra, estranha, como os quartetos de corda de Villa-Lobos, como ele próprio dizia dessa sua própria obra. 

O equilíbrio harmônico da bossa nova se tornou um marco para toda a música brasileira - ela é um medidor para quem pretende entender nossa música. Ouvi-la, uma lição para todos que apreciam o pop! 

________________________________________________________

Por Ricardo Yabrudi  –  yabrudisom@hotmail.com

Seja o primeiro a comentar

×

×

×