<

Publicidade

Premio

Fique de Olho

Albinno Oliveira Grecco

albinnooliveira@hotmail.com

De Olho na Crítica

O encaretamento na TV aberta

A TV agonizante na era do politicamente correto

Televisão  –  19/06/2017 18:39

6337

(Fotos: Divulgação)

“Fera radical” faz sucesso no Canal Viva

 

          Publicada: 12/06/2017 (20:04:33)
          Atualizada: 19/06/2017 (18:39:31)

Olá, galera!
Novela boa é novela antiga. Prova disso é a enorme repercussão com a volta de “Fera radical” no Canal Viva. Exibida originalmente em 1988, a trama de Walther Negrão narra a história de Cláudia (Malu Mader), que volta à cidade natal disposta a vingar a morte de seus pais.

Até aí tudo bem. O enredo é simples e sem pretensões. Assim como os folhetins antigos, “Fera radical” segue a máxima: A novela certa na década certa. Se fosse hoje, certamente não sairia do papel. Ou então seria quadrada demais aos moldes do politicamente correto que prejudica a TV em tempos de uma censura às avessas. Hoje a coluna “Fique de Olho” aborda essa espinhosa e pertinente questão.

É notável a preferência dessas tramas a recentes histórias. Porém há uma contradição. A verdade é que as pessoas encaretaram diante da tela. Muitos torcem o nariz para as novas atrações e enaltecem as tramas antigas. As novelas “Tieta”, “Por amor” e outras já exibidas no canal por assinatura recebem vários elogios nas redes sociais.

Cabe a discussão: Por que as novelas antigas atraem os telespectadores?

_______________________________________________________

Atualmente a teledramaturgia brasileira padece por conta da incansável patrulha do politicamente correto, limitando e castrando a criatividade dos autores e roteiristas. O fato é um só! Vivemos tempos de total encaretamento televisivo.

_______________________________________________________

Comportamentos, assuntos tabus, situações, bebidas, cigarros etc. Tudo era mostrado sem restrições e ninguém reclamava. Na busca do politicamente correto certas coisas foram cortadas de nossa grade diária, de nossas novelas, mas nos anos 80/90 cenas de sexo eram mostradas com tanta sutileza e bom gosto que o público nem levava a sério. Hoje qualquer peitinho é duramente criticado, mas a imagem dilacerante de um corpo esticado na rua não. De 2000 pra cá, as telenovelas camuflam a realidade com veemente hipocrisia, idiotizando cada vez mais o telespectador e por muitas vezes podando reflexões pertinentes por parte de quem assiste a uma determinada atração. É curioso saber que boa parte da população prefere as séries americanas; a sensação do momento: os seriados da Netflix, recheados de palavrões, nudez, álcool, drogas e ao mesmo tempo achincalham as novelas brasileiras caindo na esparrela do falso moralismo.

Infelizmente as recentes produções não provocam mais o povo como antes. A liberdade dramatúrgica se esvaziou com o passar dos anos. O que vemos pelas emissoras são caprichadas produções, porém com um texto fraco, palatável e careta para o grande público.

Personagem do Dia

1

Seu Quiqui (o saudoso Nelson Xavier) na novela “Belíssima” (2005/2006)

Por Albinno Oliveira Grecco  –  albinnooliveira@hotmail.com

2 Comentários

×

×

×

  • Warlen Pontes

    Boas observações, mas hoje está difícil definir o gosto do telespectador. Cada história é um tiro no escuro em se tratando se audiência vai vingar ou não.

  • Frederico

    Está impossível de acompanhar qualquer cosias que seja na tv aberta hj em dia , em que não se pode mostrar nada, não se pode falar sobre nada , nem mesmo em tramas as 23, o público não é instigado a pensar, pensar pra quê né? Melhor um texto raso, a um que que há crítica que gere discussão sadia, pq até isso está difícil, a viseira da caretice é tanta que não compensa perder tempo
    Pobre dos autores que ano podem escrever o que querem , o que gosta, pra moldar tudo a essa censura que há hj e ao público topeira e cheio de pudores .