<

Publicidade

Premio

Equilíbrio

Saúde: por que não tomamos conta de nossos corpos

Doenças são quadro clínicos específicos; devemos tratar nossa saúde como o Homem em estabilidade consigo mesmo

Viver bem  –  05/10/2012 22:18

1

(Foto Ilustrativa)

“Sanitas” está em latim, nossa língua mãe, e significa Saúde

“Sanitas” significa Saúde. E está em latim, nossa língua mãe. Começo a primeira descrição de nossa nova coluna para que fiquemos de OLHO VIVO em nosso passado e no significado de um termo hoje banalizado. Falemos de carros… Nós tomamos conta deles, nosso transporte. Abastecemos com combustível de boa procedência (ao menos é o que nos dizem!), não aceleramos demais para não exagerar, não aceleramos de menos para chegar na hora. Fazemos sua regulagem frequentemente para um bom consumo e durabilidade. Por que então não tomamos conta de nossos corpos, nossos templos, da mesma forma? No fim parece fácil deixar tudo na mão de um especialista, de um remédio ou seja o que for. Não está na hora de tomarmos responsabilidade por nossa saúde?

Doenças são quadro clínicos específicos, devemos tratar nossa saúde não como a mera inexistência de doenças, mas como o Homem em estabilidade consigo mesmo. O perfeito equilíbrio entre digestão de alimentos e de pensamentos. A boa assimilação de nutrientes e eliminações de emoções e dejetos. Sanitas não só como um atestado clínico de boa saúde, mas representado como a completa harmonia do corpo e mente, integração com o meio social, familiar e produtivo. Assim exteriorizamos nossa beleza, sendo mostrada na pele, rosto, peso, cabelos, modo de falar e compreender tudo a nosso redor.

A expressão dinâmica da vida

O corpo humano deve ser tratado sempre de forma cuidadosa e em busca de equilíbrio contínuo. Não existe uma só pessoa em nossa civilização que não precise alcançar seu equilíbrio. Essa é a busca, aonde, por meio dela nos guiamos. Assim temos sempre um objetivo, e tudo começa na auto-observação. Observar como é nosso sono, sonhos, a presença (ou não) da fome nos horários corretos, o suor com ou sem odor, o funcionamento diário, regular e não forçado da eliminação de dejetos.

Saúde é a conjunção de todos os nossos sistemas, o equilíbrio de fluidos, o transporte de líquidos entre as membranas, a separação do que é selecionado entre nutrientes e dejetos, o metabolismo de nutrientes para se transformar em plasma, sangue, e daí por diante.

Um convite aos leitores

Convido os leitores, nesse nosso primeiro contato a estarem observando seu dia a dia, entenderem seu corpo, interiorizarem tudo aquilo que exteriorizamos. Fazer uma pausa em silêncio antes de colocar o alimento pra dentro, para nos conectarmos com o que há lá dentro. Só assim, com a auto-observação, podemos identificar o que somos, quem somos e a qual propósito servimos.

Para que possamos abordar novos e velhos assuntos nessa coluna, este é o primeiro passo. Saber onde estamos e para onde queremos ir, reconhecer nossa vitalidade (ou a falta dela). Em equilíbrio ajudamos não só a nós mesmos, mas tornamos o mundo melhor. A saúde não só como a ausência de doenças, mas como a função de todos os nossos sistemas em harmonia e equilíbrio.

Quem aceita esse desafio?

Por Edson Osorio  –  edsonreiki@gmail.com

4 Comentários

×

×

×

  • Valéria

    MUITO BOM!!! Artigos dessa natureza só estimulam ainda mais quem aceita o desafio e, principalmente quem se encontra no processo, pois, ir contra à realidade de concenso não é nada fácil. Porém, quando nos permitimos e começamos a trilhar o caminho, só existe um destino para o fim da linha, a autotransformação. Continue assim, você vai longe!!!


  • Aline

    Será que não tomamos conta de nós mesmos por preguiça ??
    Se for , a diligência é o antídoto, a atitude amorosa também consigo mesmo...
    parabéns pela iniciativa

  • Mais comentários