Publicidade

Toca Logo

Conflitos Sociais

Dhiogo José Caetano

[email protected]

Série Opinando e Transformando - Episódio 99

Afonso Guerra-Baião - Um defensor do bem-estar para todos

Professor e escritor fala sobre cultura de paz, educação e espaço digital

Pelo Brasil  –  12/11/2020 19:42

9707

 

(Foto: Divulgação)

“São muitos os exemplos de práticas exemplares da cultura de paz, mas basta que nos lembremos de São Francisco de Assis, de Ghandi, de Luther King e Chico Mendes para que tenhamos referências riquíssimas que inspirem nossa prática hoje: a ação pacífica contra a violência e a opressão”.  

 

Afonso Guerra-Baião é o 99º convidado na série de entrevistas “Opinando e Transformando”. Objetivo é formar um mosaico com o que cada um pensa desse universo multifacetado. Uma oportunidade para os internautas conhecerem um pouco mais sobre os profissionais que, de alguma forma, vivem para a arte/cultura. 

> Nome: Afonso Guerra-Baião
> Breve biografia: Professor e escritor. Publicou recentemente, pela Aldrava Letras e Artes, “Sonetos de bem-dizer / De maldizer”, que pode ser adquirido na Estante Virtual, da Amazon, ou com o autor pelo Facebook ou Instagram. 

Confira a entrevista com Afonso Guerra-Baião

> Em sua opinião, o que é cultura de paz?

A cultura de paz é uma proposta de vida cada vez mais necessária para a nossa sociedade, carentes que estamos de práticas individuais e coletivas da não violência, da tolerância, da inclusão, do diálogo, da empatia. 

> Como podemos difundir de forma coerente a paz neste vasto campo de transformação mental, intelectual e filosófica?

Podemos, através de gestos e posturas, individual e coletivamente, contribuir para a consolidação de uma cultura de paz e fraternidade em nossa sociedade. Nesse sentido, educadores, artistas, pensadores, têm um papel fundamental a desempenhar. 

> Como você descreve a cultura de paz e sua influência ao longo da formação da sociedade brasileira/humanidade?

São muitos os exemplos de práticas exemplares da cultura de paz, mas basta que nos lembremos de São Francisco de Assis, de Ghandi, de Luther King e Chico Mendes para que tenhamos referências riquíssimas que inspirem nossa prática hoje: a ação pacífica contra a violência e a opressão. 

> A cultura e a educação libertam ou aprisionam os indivíduos?

Tanto a cultura quanto a educação podem ser libertadoras, se focadas nos princípios básicos da autonomia, do diálogo, da liberdade e da consciência crítica. 

> Comente sobre o espaço digital, destacando sua importância na difusão do despertar da humanidade.

É fundamental que o espaço digital seja usado com criatividade e eficiência pelas pessoas e organizações que se empenham em difundir uma cultura de paz. 

> Qual mensagem você deixa para a humanidade?

Somos humanos, portanto, o normal e razoável é que sejamos defensores dos direitos humanos, dos direitos civis, da inclusão social, do estado de direito e de bem-estar para todos.  

> Clique e confira todas as entrevistas da série sobre Cultura "Opinando e Transformando"      

________________________________________________________

1 Comentário

×

×

×

  • Beth Iavomini

    Você é mil, sempre brilhante na escrita!
    Adorei a entrevista! Aplausos!